OFICINA INTENSIVA DE INTERPRETAÇÃO – ESPONTANEIDADE E DESENHO NO ESPAÇO

MINISTRANTE: Deborah Finocchiaro
LIMITE DE VAGAS: 20 alunos com idade mínima de 14 anos
DURAÇÃO: 04 horas
ORIENTAÇÃO: os alunos deverão usar roupas confortáveis, sapatos baixos, sem acessórios.

OBJETIVO GERAL:

           Em um encontro intensivo com estudantes, professores e pessoas interessadas no teatro, realizar uma vivência através de práticas do trabalho do ator, onde os participantes, tornando-se conscientes das infinitas possibilidades do corpo e da voz, e de que somos seres criativos por excelência – a criatividade não é privilégio, é inerente ao ser humano, basta estar aberto para enxergá-la e permiti-la – possam levar para suas vidas uma relação mais saudável e generosa consigo mesmos, consequentemente, com os outros.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

  • Ampliar as possibilidades de expressão;
  • Tornar-se disponível para a prática teatral;
  • Sensibilização e conscientização corporal e vocal;
  • Percepção espacial, relação corpo / espaço;
  • Foco – a importância do olhar;
  • O prazer do movimento criativo;
  • A precisão do movimento;
  • Reconhecimento e integração com os colegas;
  • Reconhecimento e exploração do espaço cênico;
  • O jogo e a comunicação;
  • Interação ator-espectador;
  • Observação, apreciação e breve análise das improvisações realizadas pelos outros grupos;
  • O teatro como veículo de comunicação pessoal e social.

BIBLIOGRAFIA:

  • OIDA, Yoshi – Um Ator Errante – São Paulo/SP, Editora Beca, 1992
  • OIDA, Yoshi – O Ator Invisível – São Paulo/SP, Editora Beca, 2001
  • GROTOWSKI, Jerzy – Em Busca de um Teatro Pobre – Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 1987
  • BARBA, Eugenio – Além das Ilhas Flutuantes – Campinas/SP, Editora Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 1991
  • BROOK, Peter – A Porta Aberta – Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 2000
  • STANISLAYSKY, Constantin – A Preparação do Ator – Rio de Janeiro/RJ, Editora Civilização Brasileira, 1984
  • CASTANEDA, Carlos – Passes Mágicos – Rio de Janeiro/RJ, Editora Nova Era, 1998
  • BERTHERAT, Thérèse – A Toca do Tigre – São Paulo/SP, Editora Martins Fontes, 1990
  • BERTHERAT, Thérèse – O corpo tem suas razões – São Paulo/SP, Ed. Martins Fontes
  • WEIL, Pierre e TOMPAKOW, Roland – O Corpo Fala – Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 1986

BREVE CURRÍCULO:

Deborah Finocchiaro é Bacharel em Interpretação Teatral pela Faculdade de Artes Cênicas da UFRGS. Atriz, diretora, locutora, apresentadora, roteirista, autora e produtora. Em sua trajetória, recebeu 32 prêmios, entre eles 9 de Melhor Espetáculo, 17 de Melhor Atriz, 1 de Melhor Direção, 1 de Melhor Texto Adaptado, 1 de Melhor Roteiro e 3 como Melhor Artista de Teatro. Trabalha no teatro, cinema, televisão e rádio desde 1985.
Em 2006 criou a Companhia de Solos & Bem Acompanhados, e dela fazem parte as peças que atua e dirige, “Pois é Vizinha…” (1993), “Sobre Anjos & Grilos – O Universo de Mario Quintana” (2006) e “O Macaco & A Velha” (2011); as esquetes “Crack – Queimando a Vida” (2009), “O Exame” (sobre prevenção do HIV -1998) e “Erico de Bolso” (2013); o sarau poético “Mais que Nunca a Poesia (2006); o projeto “Histórias de Um Canto do Mundo – Memórias de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul” (que consiste em um espetáculo solo, um show musical e um registro da obra em livro/CD) e os espetáculos “Um Certo Capitão Verissimo”, direção Paulo Mauro (2012) e “GPS GAZA”, direção Camila Bauer (2014). Seu mais recente trabalho é a peça “Caio do Céu”, a partir da obra de Caio Fernando Abreu, direção Luís Arthur Nunes.
Assinou a direção do premiado espetáculo “O Urso” de Anton Tchekhov com o Grupo dos Cinco (2003). Entre outros, integrou o elenco de “Os Crimes da Rua do Arvoredo”, direção Camilo De Lélis (1999), “Hamleto”, direção Luciano Alabarse (1994), “Kaspar Hauser”, direção Oscar Simch (1986), “Risco, Arisco e Corisco”, direção Roberto Oliveira (1988) e “A Arca de Noé”, direção Zé Adão Barbosa (1991). No cinema, atuou em “A Matadeira”, direção Jorge Furtado (1994), “Nossa Sra do Caravaggio”, direção Fábio Barreto (2004), “Gildíssima”, direção Alexandre Derlan (2013), “Cromossomo 21”, direção Alex Duarte (2016) e “Bio”, de Carlos Gerbase (2016). Na televisão, nas minisséries da Rede Globo “Incidente em Antares” (1994), “Comédia da Vida Privada” (1997) e “A Casa das Sete Mulheres” (2003), nos programas especiais da RBS TV “Contos de Inverno”, “Na Trilha dos Farrapos” (2001), “Aventura” (2002), “Histórias Curtas” (2001, 2007, 2010, 2011 e 2012) e na série “Animal” do GNT, direção Paulo Nascimento (2014).
Em 2014 foi a artista homenageada do 21º Festival Internacional de Teatro Porto Alegre Em Cena, ganhando a biografia “A Arte Transformadora”, escrita pelo jornalista Luiz Gonzaga Lopes, que integra o 5º volume da coleção Gaúchos Em Cena.
Desde 2009 assina a coluna de teatro na Rádio Band News FM Porto Alegre – 99,3.